Os saberes não matemáticos articulados às práticas sociais com matemática

Cláudia Fernandes Andrade do Espírito Santo, Saddo Ag Almouloud

Resumo

O objetivo deste trabalho consiste em evidenciar a prática de modelagem matemática como uma praxeologia mista no sentido apresentado por Castela e Romo Vázquez (2011). A prática com modelagem se manifesta como uma praxeologia mista ao articular saberes matemáticos e não matemáticos que se realizam em diferentes instituições com uso ou manipulação de objetos matemáticos. Embora a prática matemática pareça se manifestar como algo indispensável para o funcionamento de outras práticas, os critérios de validação em tomadas de decisões estão condicionados aos modos de fazer e de pensar próprios do campo de práticas em que a situação em contexto concreto vive. Exemplificamos a discussão a partir do uso do modelo matemático utilizado para o cálculo do Imposto de Renda Pessoa Física (IRPF), que revela a prevalência dos saberes específicos do campo de práticas que dão sentido ao modelo, ao agirem implicitamente como condicionantes para atender interesses e intenções de grupos sociais a quem interessa a solução produzida pelo modelo.

Palavras-chave

Modelagem Matemática. Modelo Praxeológico Misto. Imposto de Renda Pessoa Física, Práticas sociais com matemática, Saberes não matemáticos

Texto completo:

PDF

Referências

BLOMHØJ, M.; JENSEN, T. H. Developing mathematical modelling competence: Conceptual clarification and educational planning. In: Teaching Mathematics and its Applications v. 22, n. 3, p. 123-139, 2003.

BORSSOI, Adriana Helena; DE ALMEIDA, Lourdes Maria Werle. Percepções sobre o uso da Tecnologia para a Aprendizagem Significativa de alunos envolvidos com Atividades de Modelagem Matemática. In:Revista Electrónica de Investigación en Educación en Ciencias, v. 10, n. 2, p. 36-45, 2015.

BOSCH, Marianna. CHEVALLARD, Yves e GASCÓN, Josep. Science or magic? The use of models and theories in didactics of mathematics. Proceedings of the Fourth Congress of the European Society for Research in Mathematics Education, 2005.

BRASIL. Relatório Nacional PISA 2012: Resultados brasileiros. OCDE, 2012.

CASTELA, Corine. ROMO VÁSQUES, Avenilde. Des Mathematiques a L´automatique: etude des effets de transposition sur la transformee de Laplace dans la formation des ingénieurs. Recherches en Didactique des Mathématiques, Vol 31/1, nº 91, pp. 79-130. Grenoble, France: La Pensée Sauvage, 2011.

CASTELA, Corine. Cuando las praxeologías viajan de una institución a otra: una aproximación epistemológica del “boundarycrossing”. Educación Matemática, vol. 28, núm. 2, agosto, 2016.

CATANEO, G. S. MARTINS, M. A. e BURAK, D. O ensino de estatística mediado pela modelagem matemática. VIDYA, v. 36, n. 2, p. 349-362, jul./dez., 2016 - Santa Maria, 2016. ISSN 2176-4603.

CHEVALLARD, Y. La Transposición Didáctica: del saber sabio al saber enseñado. 2a ed. 3. Reimp. Buenos Aires: Aique Grupo Editor, 2005.

CHEVALLARD, Y. La Transposición Didáctica: del saber sabio al saber enseñado. 2. ed. 3. reimp. Buenos Aires: Aique Grupo Editor, 2005.

CHEVALLARD, Y. L’Analise des pratiques enseignantes em theórie anthopologique du didactique, In : Recherches em Didactiques des Mathematiques. Grenoble. La Pensé Sauvage Éditions, v. 19.2, p. 221-265, 1999.

CHEVALLARD, Y. La Transposition Didactique. Grenoble: La Pensée Sauvage-Éditions, 1991.

CHEVALLARD, Y. La Transposition Didactique. Du Savoir savant au savoir enseigné. Grenoble: La PenséeSauvage, 1985.

CHEVALLARD, Y. La Transposición Didáctica: del saber sabio al saber enseñado. 2a ed. 3. Reimp. Buenos Aires: Aique Grupo Editor, 2005.

COÊLHO, Sacha Calmon Navarro. Curso de Direito Tributário Brasileiro. 9ª Ed. Rio de janeiro: Forense, 2007.

COVIAN CHAVEZ, OldaNadinne e ROMO VÁZQUEZ, Avenilde. Modelo Praxeológico Extendido una Herramienta para Analizar las Matemáticas en la Práctica: el caso de la vivienda Maya y levantamiento y trazo topográfico. Bolema, Rio Claro (SP), v. 28, n. 48, p. 128-148, abr. 2014.

GRANDSARD, F. Mathematical modeling and the efficiency of our mathematics. 2005.Disponívelem: Acesso em: 02 jun. 2009.

GUERRA, R. B; SILVA, F.H.S. Reflexões sobre modelagem matemática crítica e o fazer matemático da escola. Perspectivas da educação matemática, Campo Grande, MS, v. 2, n. 3, pp. 95 – 119, 2009.

JULIE, C. Mathematical literacy: Myths, further inclusions and exclusions. Pythagoras, v. 64, p. 62-69, 2006.

MALHEIROS, Ana Paula dos Santos. Modelagem em Aulas de Matemática: reflexos da formação inicial na Educação Básica. In: Perspectivas da Educação Matemática, v.9, n. 21, 2016.

OLIVEIRA, Alex da Silva. In: monografia sobre o Imposto de Renda Pessoa Física. Publicado pela FaculdadeCearense (FAC). Curso de CiênciasContábeis, 2013.

SCHUKAJLOW, S.; KAISER, G.; STILLMAN, G. Empirical research on teaching and learning of mathematical modelling: a survey on the current state-of-the-art. In: ZDM - MathematicsEducation, n. 50, v. 1-2, p. 5-18, 2018. Doi 10.1007/s11858-018-0933-5.

SKOVSMOSE, O. Educação Crítica: incerteza, matemática, responsabilidade. Tradução de Maria Aparecida Viggiani Bicudo. – São Paulo: Cortez, 2007.

WITTGENSTEIN, L. (1976). Da certeza. Tradução de Maria Elisa Costa. Lisboa: Biblioteca de Filosofia Contemporânea. Edições 70.

Apontamentos

  • Não há apontamentos.