Matemática, frações e EJA: Diminuindo distâncias

José Erildo Lopes Júnior

Resumo

Este trabalho apresenta uma proposta para o ensino de Frações na EJA e trabalhar a sistematização dos conceitos da matemática buscando a Resolução de Problemas como metodologia, visto que elas estão presentes em nosso cotidiano. Para a realização da atividade escolhemos aleatoriamente quatro alunos do segundo segmento da EJA, de uma escola municipal situada na cidade de Itabirito – MG, pertencentes a duas salas de 45 alunos cada, sendo selecionados dois alunos de uma sala e dois da outra. Utilizamos informações empíricas retiradas de dados coletados durante a condução do trabalho de campo da pesquisa intitulada Reflexões sobre o ensino de Frações na EJA, desenvolvida no Programa de Mestrado Profissional em Educação e Docência, da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Ao final do processo, foi possível observar o envolvimento dos estudantes participantes bem como a apreensão dos conceitos propostos.

 

Palavras-chave

Ensino de matemática; Frações; Educação de Jovens e Adultos.

Texto completo:

PDF

Referências

BRASIL, Ministério da Educação e do Deporto. Secretaria de Ensino Fundamental. Proposta Curricular para a educação de jovens e adultos: segundo segmento do ensino fundamental: 5ªa 8ª série. Brasília: SEF, 2002, vol. 3.

FIORENTINI, Dario. Rumos da pesquisa brasileira em educação matemática: o caso da produção científica em Cursos de Pós-Graduação. Tese de doutorado. Faculdade de Educação, UNICAMP, Campinas, SP: 1994.

FONSECA, M. da C. F. R. Educação matemática de jovens e adultos: Especificidades, desafios e contribuições. v. 1, 112 p. Belo Horizonte: Autêntica, 2002.

KENSKI, V.M. O papel do Professor na Sociedade Digital. In: CASTRO, A. D. de CARVALHO, A.M.P. de (Org.). Ensinar a Ensinar: Didática para a Escola Fundamental e Média. São Paulo; Ed. Pioneira Thompson Learning, 2001.

LOPES JÚNIOR, J. E. Reflexões sobre o ensino de frações na EJA. Dissertação de mestrado, Programa de Pós-Graduação em Educação e Docência/MP, UFMG, 2017.

MACGREGOR, M., MOORE, R. Teaching mathematics in a multicultural classroom. Melbourne/Australia: University of Melbourne, School of Science and Mathematics Education, 1991.

MONTEIRO, A. B; GROENWALD, C. L. O. Dificuldades na Aprendizagem de Frações: Reflexões a partir de uma Experiência Utilizando Testes Adaptativos. Revista de Educação em Ciência e Tecnologia, v.7, n.2, p.103-135, 2014.

MOURA, M. O. de. A atividade de ensino como unidade formadora. Bolema (Rio Claro/SP), UNESP, v. 12, p. 29 – 43, 1996.

NUNES, Terezinha. Criança pode aprender frações. E gosta! In: GROSSI, E. (Org.) Por que há ainda quem não aprende? A teoria. Petrópolis: Vozes, 2003.

OLIVEIRA, M. C. Metamorfose na construção do alfabetizando pessoa. Dissertação de Mestrado, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre-RS. 1996.

ONUCHIC, L. de la R. Ensino-Aprendizagem de Matemática através da Resolução de Problemas. In: BICUDO, Maria Aparecida Viggiani. Pesquisa em Educação Matemática: concepções e perspectivas. São Paulo: UNESP, 1999.

ROSA, M.; OREY, D. C. Um estudo etnomatemático da influência da linguagem no ensino e aprendizagem em matemática. In: FREITAS, A. C; AMARILHA (Orgs.) M. Anais do 7o. Seminário de Educação e Leitura: Desafios e Criatividade. Natal, RN: UFRN, 2013. pp. 685-695.

SANTOS, G. L. Educação ainda que tardia: a exclusão da escola e a reinserção de adultos das camadas populares em um programa de EJA. Revista Brasileira de Educação. n.24. set-dez 2003.

SOUZA, A. B. A escola representada por alunos de cursos de alfabetização e pós-alfabetização de jovens e adultos que passaram anteriormente pelo ensino regular: Contribuição à compreensão do cotidiano escolar. Dissertação de Mestrado, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo-SP, 1994.

Apontamentos

  • Não há apontamentos.