Um olhar para a desigualdade educacional em matemática no Brasil: Para além das metas do IDEB

Palavras-chave: Ideb, Prova Brasil, Desigualdade educacional, Matriz de referência, Proficiência

Resumo

Este artigo tem por objetivo problematizar sobre o alcance de metasdoIDEB, em alguns estados brasileiros, frente a grande desigualdade de desempenho em Matemática. O estudo foi feito com base na análisedos microdados da Prova Brasil de 2017, mostrando os resultados obtidos pelo IDEB para cada estado da federação e a desigualdade de desempenho em Matemática. Os dados indicam o 5o ano do Ensino Fundamental apresentam a menor desigualdade de desempenho em Matemática na Prova Brasil. À medida que ocorre o avanço para o 9o ano do Ensino Fundamental e 3o ano do Ensino Médio, há cada vez menos estudantes na categoria ADEQUADO, em contraste com aumento de estudantes na categoria INSUFICIENTE. Portanto, é importante se olhar com atenção para os rankings do IDEB entendendo a relevância que assumem como indicador educacional com propósito administrativo, bem como os possíveis equívocos gerados quando compreendido como principal indicador educacional.Ideb

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Franciney Carvalho Palheta, Universidade Federal do Pará
Graduação em Física Bacharelado (2001) e Licenciatura Plena Em Física pela Universidade Federal do Pará (1998). Professor Adjunto da Universidade Federal do Pará. Professor da Secretaria Estadual de Educação do Pará (2002 a 2009). Professor da Universidade Estadual do Pará (2002-2007). Professor de Física e Cálculo do Centro de Instrução Almirante Braz de Aguiar, na formação de bacharéis em Ciências Náuticas e Maquinas para a Marinha Mercante do Brasil (2006-2009). Planetarista do Planetário do Pará e coordenador do Ano Internacional da Astronomia (2009). Universidade Federal Rural da Amazônia como professor de Física, Cálculo e Computação. Diretor de Ensino Médio e Educação Profissional da SEDUC-PA (2013-2014). Coordenador do Núcleo de Astronomia da UFPA (NASTRO - 2010 a 2015). Membro do Conselho Estadual de Educação do Pará (2014-2019). Doutor em Educação em Ciências e Matemáticas (2016 - 2020) ? IEMCI / PPGECM
Isabel Cristina Rodrigues de Lucena, Universidade Federal do Pará
Professora Associada IV da Universidade Federal do Pará. É licenciada em Matemática pela Universidade do Estado do Pará (1993). Possui cursos de mestrado e doutorado em Educação - linha de pesquisa Educação Matemática - pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (2005). Atualmente tem atuação no Programa de Pós-Graduação em Educação em Ciências e Matemáticas (PPGECM) e no Programa de Mestrado Profissional em Docência em Educação em Ciências e Matemáticas (PPGDOC), ambos da UFPA. Na graduação é professora do Curso de Licenciatura integrada em Educação em Ciências, Matemática e Linguagens para a Formação de Professores dos Anos Iniciais e E.J.A. Desempenha atividades de pesquisa e extensão na área da Educação Matemática. Os principais enfoques dos projetos são: educação matemática e cultura amazônica, ensino-aprendizagem-avaliação em matemática dos anos iniciais e avaliação em matemática e formação de professores. É líder do GEMAZ - Grupo de Estudos e Pesquisas em Educação Matemática e Cultura Amazônica
Heliton Ribeiro Tavares, Universidade Federal do Pará
Possui graduação em Estatística pela Universidade de São Paulo (1992), mestrado em Estatística pela Universidade de São Paulo (1995), doutorado em Estatística pela Universidade de São Paulo (2001) e Pós-Doutorado na University of Florida (2016). Atualmente é professor Titular da Universidade Federal do Pará. Tem experiência na área de Probabilidade e Estatística, com ênfase em Modelagem e Análise de Dados Educacional, atuando principalmente em Teoria da Resposta ao Item, voltada para Avaliação Educacional, recebe a maior dedicação do pesquisador. Na UFPA foi Diretor do DERCA/CIAC e Diretor de Planejamento. No INEP/MEC foi Coordenador-Geral de Instrumentos e Medidas e Diretor de Avaliação da Educação Básica (2008-2010), Avaliador de Cursos e de Instituição da Educação Superior. Participa da Comissão de Assessoramento do INEP. Compõe a coordenação do Sistema de Avaliação do Rendimento Escolar do Estado de São Paulo (SARESP 2010-2019) e foi Consultor para implantação do Sistema Paraense de Avaliação Educacional (SisPAE 2013-2017) junto à Seduc/BID. É Coordenador do Laboratório de Avaliação e Medidas (LAM/UFPA). É membro Titular da Academia Paraense de Ciências

Referências

BRASIL. PDE: Plano de Desenvolvimento da Educação: SAEB: ensino médio: matrizes de referência, tópicos e descritores. Brasília: MEC, SEB; Inep, 2008a.

BRASIL .Nota técnica: Índice de Desenvolvimento da Educação Básica – Ideb. Brasília: Inep, 2008b. Disponível em:<http://download.inep.gov.br/educacao_basica/portal_ideb/o_que_e_o_ideb/Nota_Tecnica_n1_concepcaoIDEB.pdf>. Acesso em: 03 jul. 2018.

BRASIL. Nota técnica. Metodologia utilizada para o estabelecimento das metas intermediárias para a trajetória do Ideb no Brasil, Estados, Municípios e Escolas. Brasília: Inep, 2008c. Disponível em: <http://download.inep.gov.br/download/Ideb/Nota_Tecnica_n2_metas_intermediarias_IDEB.pdf>. Acesso em: 03 jul. 2018.

BRASIL. Relatório SAEB (ANEB e ANRESC) 2005-2015: panorama da década. Brasília: INEP, 2018a. Disponível em: <http://download.inep.gov.br/educacao_basica/saeb/2018/documentos/livro_saeb_2005_2015_completo.pdf>. Acesso em: 05 abr. 2018.

BRASIL. Sistema de Avaliação da Educação Básica. Documentos de Referência. Versão 1.0. Brasília: MEC/DAEB, 2018b. Disponível em: <http://download.inep.gov.br/educacao_basica/saeb/2018/documentos/saeb_documentos_de_referencia_versao_1.0.pdf>. Acesso em: 21 dez. 2018.

DOURADO, L. F; OLIVEIRA, João Ferreira de; SANTOS, Catarina de Almeida (Org.). A qualidade da educação: conceitos e definições. Brasília: INEP/MEC, 2007. (Série “Textos para discussão”, nº 24).

FERNANDES, R. Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb). Brasília: Inep, 2007. Disponível em: <http://portal.inep.gov.br/documents/186968/485287/%C3%8Dndice+de+Desenvolvimento+da+Educa%C3%A7%C3%A3o+B%C3%A1sica+%28Ideb%29/26bf6631-44bf-46b0-9518-4dc3c310888b?version=1.4>.Acesso em: 11 jun. 2018.

FERNANDES, R. Índice de desenvolvimento da educação básica (Ideb): metas intermediárias para a sua trajetória no Brasil, estados, municípios e escolas. Brasília: Inep, 2008. Disponível em: <http://www.inep.gov.br/ download/Ideb/Artigo_ projecoes.pdf>. Acesso em: 03 jul. 2018.

GADOTTI, M. A qualidade na educação: uma nova abordagem. Florianópolis: COEB, 2013.

INEP (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira). Sinopse Estatística da Educação Básica 2017. Brasília, 2018. Disponível em: <http://portal.inep.gov.br/sinopses-estatisticas-da-educacao>. Acessoem: 23 set. 2018.

SIDORKIN, A. M. Campbell’s Law and the Ethics of Immensurability. Rev. Studies in Philosophy and Education. v. 35, Jul. 2016, p. 321–332. Disponívelem: <https://www.hse.ru/pubs/share/direct/document/152081787>. Acesso em: 12 mai. 2018. DOI: https://doi.org/10.1007/s11217-015-9482-3

Publicado
2021-03-31
Métricas
  • Visualizações do Artigo 46
  • PDF downloads: 18
Como Citar
PALHETA, F. C.; LUCENA, I. C. R. de; TAVARES, H. R. Um olhar para a desigualdade educacional em matemática no Brasil: Para além das metas do IDEB. REMATEC, [S. l.], v. 16, p. 141-162, 2021. DOI: 10.37084/REMATEC.1980-3141.2021.n.p141-162.id332. Disponível em: http://www.rematec.net.br/index.php/rematec/article/view/332. Acesso em: 19 abr. 2021.
Seção
Artigos Científicos