Ir para o menu de navegação principal Ir para o conteúdo principal Ir pro rodapé

Artigos Científicos

v. 16 n. 38 (2021)

Reflexões sobre as compreensões de planejamento na Formação Inicial de Professores de Matemática


Publicado
May 7, 2021

Resumo

Esta investigação teve como objetivo compreender as concepções iniciais acerca do planejamento de uma aula com o uso de Tecnologias de Informação e Comunicação (TIC) de licenciandos em Matemática na Prática enquanto Componente Curricular (PeCC III). A partir do estágio de Docência no Ensino Superior, foi desenvolvida uma Investigação-Ação numa perspectiva da reflexão crítica e pesquisa da própria prática. Para tal, utilizou-se a prática da escrita e reescrita, pois acredita-se que permite aos licenciandos evoluir conceitualmente, favorecendo o desenvolvimento profissional além de propiciar a investigação e a reflexão da prática docente. Utilizou-se como abordagem metodológica a pesquisa qualitativa, com análise dos processos de escritas narrativas de 26 licenciandos. Pela análise temática de conteúdo das escritas dos licenciandos identificou-se três categorias: i) concepção inicial de planejamento; ii) descrições a priori de como realizariam o planejamento de uma aula (com TIC); iii) descrições a posteriori de como realizaram o planejamento de uma aula com TIC. Portanto, foi possível perceber o potencial desta investigação para a constituição dos conhecimentos de professor no que tange aos sentidos atribuídos pelos licenciandos no planejamento de uma aula.

Referências

BORBA, M. C.; PENTEADO, M. G. Informática e Educação Matemática. 2. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2001.

BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular: Educação Infantil e Ensino Fundamental. Brasília: 2017. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_EI_EF_110518_versaofinal_site.pdf. Acesso em: 30 dez. 2020.

CARR, W.; KEMMIS, S. Teoria crítica de la enseñanza: investigación-acción en la formación del profesorado. Barcelona: Martinez Roca, 1988.

CARVALHO, F. P. S. Ensino e Aprendizagem de Conteúdos de Geometria Espacial em um Ambiente Dinâmico e Interativo. 2011. 141f. Dissertação (Mestrado) - Universidade Federal de Goiás, Programa de Pós-Graduação em Ciências e Matemática, Goiânia, 2019. Disponível em: http://repositorio.bc.ufg.br/tede/handle/tde/558. Acesso em: 30 dez. 2020.

CUNHA, M. I. Conta-me agora! As narrativas como alternativas pedagógicas na pesquisa e no ensino. Revista da Faculdade de Educação, São Paulo, v. 23, n. 1-2, p. 1-10, 1997. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/rfe/article/view/59596. Acesso em: 30 dez. 2020. https://doi.org/10.1590/rfe.v23i1-2.59596.

GRAVINA, M. A. O Potencial Semiótico do Geogebra na Aprendizagem da Geometria. Uma Experiência Ilustrativa. Revista Vidya, Santa Maria, v. 35, n. 2, p. 237-253, 2015. Disponível em: https://periodicos.ufn.edu.br/index.php/VIDYA/article/view/605. Acesso em: 30 dez. 2020. https://doi.org/10.37781/vidya.v35i2.605.

GRAVINA, M. A. Geometria Dinâmica: uma nova abordagem para o aprendizado da Geometria. In: Anais do VII Congresso Brasileiro de Informática na Educação, Belo Horizonte, MG, 1996. Disponível em: http://www.educadores.diaadia.pr.gov.br/arquivos/File/2010/artigos_teses/EDUCACAO_E_TECNOLOGIA/GEODINAMICA.PDF. Acesso em: 30 dez. 2020

GÜLLICH, R. I. C. O livro didático, o professor e o ensino de ciências: um processo de investigação-formação-ação. 2012. 263f. Tese (Doutorado) – Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul, Programa de Pós-Graduação em Educação nas Ciências, Ijuí, 2012. Disponível em: http://bibliodigital.unijui.edu.br:8080/xmlui/handle/123456789/2043. Acesso em: 30 dez. 2020.

HERNANDEZ, F. Transgressão e Mudança na Educação: os projetos de trabalho. Porto Alegre: Artmed, 1998.

LIBÂNEO, J. C. Didática. São Paulo: Cortez, 1994.

LÜDKE, M.; ANDRÉ, M. E. D. A. Pesquisa em Educação: Abordagens Qualitativas. São Paulo: EPU, 2001.

MINAYO, M. C. S. (Org). Pesquisa Social: teoria, método e criatividade. 18. ed. Petrópolis: Vozes, 2001.

MORAES, R.; GALIAZZI, M. C.; RAMOS, M. G. Pesquisa em sala de aula: fundamentos e pressupostos. In: MORAES, R.; LIMA, V. M. R. (Org.). Pesquisa em sala de aula: tendências para a educação de novos tempos. 3. ed. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2012.

NACARATO, A. M. As narrativas de vida como fonte para a pesquisa autobiográfica em Educação Matemática. Perspectivas da Educação Matemática – UFMS, Campo Grande, v. 8, número temático, p. 448-467, 2015. Disponível em: https://periodicos.ufms.br/index.php/pedmat/article/view/1440#:~:text=O%20objetivo%20deste%20artigo%20%C3%A9,auto)forma%C3%A7%C3%A3o%20discente%20e%20docente. Acesso em: 08 mar. 2021.

PERRENOUD, P. 10 Novas Competências para Ensinar. Porto Alegre: Artes Médicas Sul, 2000.

PERSON, V. A.; GÜLLICH, R. I. C. Demarcando Elementos Constitutivos da Formação Continuada de Professores de Ciências. In: LEITE, F. A.; BONOTTO, D. L.; GÜLLICH, R. I. C. (Org). Movimentos Formativos: Desafios para Pensar a Educação em Ciências e Matemática. 1. ed. Tubarão: Ed. Copiart, 2016, v. 1, p. 291-310.

PESSOA, G. P.; COSTA, F. J. Technological Pedagogical Content Knowledge (TPACK) no Ensino de Ciências: Qual é a Possibilidade?. In: X Encontro Nacional de Pesquisa em Educação e Ciências, 2015, Águas de Lindoia. Anais X Encontro Nacional de Pesquisa em Educação e Ciências, 2015. Disponível em: http://www.abrapecnet.org.br/enpec/x-enpec/anais2015/listaresumos.htm. Acesso em: 30 dez. 2020.

PIMENTA, S. G.; LIMA, M. S. L. Estágio e Docência. São Paulo: Cortez, 2004.

PONTE, J. P. Da formação ao desenvolvimento profissional. In Actas do ProfMat 98,
Lisboa: APM, 1998. Disponível em: http://www.educ.fc.ul.pt/docentes/jponte/curso_rio_claro.htm. Acesso em: 30 dez. 2020.

PONTE, J. P. O conhecimento profissional dos professores de matemática: Relatório
final de Projecto “O saber dos professores: Concepções e práticas”. Lisboa: DEFCUL. 1997.

PRADO, G. V. T.; FERREIRA, C. R.; FERNANDES, Carla Helena. Narrativa pedagógica e memoriais de formação: Escrita dos profissionais da educação? Revista Teias. Rio de Janeiro. v. 12. n. 26. p.143-153. set./dez. 2011 – Jovens, territórios e práticas educativas. Disponível em: https://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/revistateias/article/view/24216. Acesso: 08 mar. 2021.

REIS, P. R. dos. As narrativas na formação de professores e na investigação em educação. Nuances: Estudos sobre Educação, Presidente Prudente, ano XIV, v. 15, n. 16, p. 17-34, jan./dez. 2008. Disponível em: https://revista.fct.unesp.br/index.php/Nuances/article/view/174. Acesso em: 30 dez. 2020. https://doi.org/10.14572/nuances.v15i16.174.

SAVIANI, D. Educação: do senso comum à consciência filosófica. São Paulo: Cortez/Autores Associados, 1987.

SHULMAN, L. Those who understand: knowledge growth inteaching. Educational Researcher, v. 15, n. 2, p. 4-14, 1986. Disponível em: http://links.jstor.org/sici?sici=0013-189X%28198602%2915%3A2%3C4%3ATWUKGI%3E2.0.CO%3B2-X.
Acesso em: 30 dez. 2020. https://doi.org/10.3102/0013189X015002004.

SHULMAN, L. Conhecimento e ensino: fundamentos para a nova reforma. Cadernos Cenpec, São Paulo, v. 4, n. 2, pp. 196-299. 2014. Disponível em: http://cadernos.cenpec.org.br/cadernos/index.php/cadernos/article/view/293. Acesso em: 30 dez. 2020. http://doi.org/10.18676/cadernoscenpec.v4i2.293.

TARDIF, M. Saberes docentes e formação profissional. 4ª Ed. Rio de Janeiro: Vozes, 2013.

VASCONCELLOS, C. S. Planejamento: projeto de ensino-aprendizagem e projeto político pedagógico. 9 ed. São Paulo: Libertad, 2000.

VEIGA, I. P. A. Organização didática da aula: um projeto colaborativo de ação imediata. In: VEIGA, I. P. A (Org.). Aula: gênese, dimensões, princípios e práticas. Campinas: Papirus, 2008.

WENZEL, J. S.; MALDANER, O. A. A significação conceitual em química pela prática da escrita e da reescrita orientada em processo de ensino interativo. Atas do IX Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências - IX ENPEC Águas de Lindóia, SP, 2013. Disponível em: http://abrapecnet.org.br/atas_enpec/ixenpec/atas/resumos/R0021-1.pdf. Acesso em: 30 dez. 2020.

ZULATTO, R. B. A. Professores de Matemática que utilizam Softwares de Geometria Dinâmica: suas características e perspectivas. 2002. 119 f. Dissertação (Mestrado) – Universidade Estadual Paulista, Instituto de Geociências e Ciências Exatas, Programa de Pós-Graduação em Educação Matemática, Rio Claro, 2002. Disponível em: http://hdl.handle.net/11449/91012. Acesso: 30 dez. 2020.